Biblioteca Digital da UEM: Sistema Nou-Rau
Pgina Principal  Portugus   English  Español   Aumentar Texto  Texto Normal  Diminuir Texto
  Principal | Apresentao | Objetivos | Instrues Autores | Estatsticas | Outras Bibliotecas Digitais
  Sistema Integrado de Bibliotecas - SIB / UEM
Entrar | acessos | verso 1.1  
ndice
Pgina principal
Documentos
Novidades
Usurios

Aes
Consultar
Procurar
Exibir estatsticas

Procurar por:
Procura avanada

Dvidas e sugestes


Consultar: Captulo

Incio > Produo Cientfica do Nuplia/PEA > Captulo

Ttulo: Biodiversidade e introduo de espcies de peixes: unidades de conservao
Autor(es): AGOSTINHO, A.A.; PELICICE, F.M.; JLIO JNIOR., H.F.
Palavras-chave [PT]:

Biodiversidade. Introduo de espcies. Unidades de conservao.
Palavras-chave [EN]:
Biodiversity. Invasive species. Biological conservation. Nonindigenous fishes.
Resumo:
Introduo

A conservao da fauna e flora terrestres tem sido a principal razo para o estabelecimento da maioria das reas protegidas nas ltimas trs dcadas (Agostinho et al., 2005). No Brasil, muitas destas reas tambm protegem corpos dgua, e importantes reas alagveis.
Se a fauna terrestre tem sido pouco estudada, ou mesmo inventariada - apenas 5% das reas protegidas dos trpicos foram inventariadas; Hawksworth, l995 -, a aqutica tem sido ainda menos. Como exemplo, uma inspeo na literatura sobre os artigos cientficos publicados, entre 1990 e 12 de dezembro de 2004, na pgina eletrnica do Institute for Scientific Information (Thomson Corporation, 2005) com as palavras-chave "Brazil and biodiversity", revelaram que de 217 trabalhos encontrados, 69% referiam-se especificamente a ecossistemas terrestres e apenas. 11% a ecossistemas de guas interiores. O restante referia-se a ambientes marinhos ou biomas menores (Agostinho et al., 2005).

A ateno insuficiente destinada aos corpos dgua doce pode tambm ser evidenciada nos processos de avaliao de impactos ambientais e na alocao de reas onde medidas compensatrias so implementadas. Em guas continentais, com exceo da proteo de nascentes de mananciais de abastecimento pblico, os critrios baseiam-se geralmente na biota terrestre. tambm sintomtico que, muitas vezes, a rea de preservao permanente ao longo dos rios seja protegida contra obras que degradam a vegetao ripria; entretanto, seu curso dgua explorado na minerao, recebe efluentes poludos, drenados, dragados ou suportam obras como flutuantes ou mesmo um nmero excessivo de embarcaes.

Independentemente dos critrios utilizados na escolha, as Unidades de Conservao tm papel fundamental na preservao de habitats da fauna aqutica, embora os esforos dirigidos conservao da biodiversidade de sistemas fluviais sejam consideravelmente mais complexos. Usos restritivos do entorno ou o estabelecimento de zonas tampes podem ser eficazes para os aportes externos laterais, mas so de baixa eficincia para os longitudinais, como os usos competitivos ou destrutivos na quantidade ou qualidade da gua a montante, ou o afluxo de espcies exticas de montante ou jusante.

Observao: A introduo, na ntegra, poder ser visualizada no texto completo do captulo digital.
Descrio:
AGOSTINHO, Angelo Antonio; PELICICE, Fernando Mayer; JLIO JNIOR, Horcio Ferreira. Biodiversidade e introduo de espcies de peixes: unidades de conservao. In: CAMPOS, Joo Batista; TOSSULINO, Mrcia de Guadalupe Pires; MLLER, Carolina Regina Cury (Org.). Unidades de conservao: aes para valorizao da biodiversidade. Curitiba: Instituto Ambiental do Paran, 2006. p.95-117.
Cdigo: 226

Responsavel: admin
Categoria: Aplicao
Formato: Documento PDF
Arquivo: 171-Biod e Introd-Agostinho&Pelicice.pdf
Tamanho: 1615 Kb (1653372 bytes)
Criado: 28-04-2008 18:24
Atualizado: 27-06-2008 12:48
Visitas: 3154
Downloads: 222

[Visualizar]  [Download]

Todo material disponvel neste sistema de propriedade e responsabilidade de seus autores.